Outro golpe a Sodastream

Fantástica noticia!. Na véspera do Día da Terra  o Earth Day Network cancelou  o seu patrocinio con Sodastream!

Despois de que a Campaña en EUA de CODEPINK e outros grupos. para pór fin á ocupación israelí  a semana pasada para solicitarlle a Earth Day Network o ceseu da súa relación con Sodastream, esta retirou o nome de Sodastream da sua páxina web, e o logo de Earth Day Network eliminouse da web de Sodastream.

Este é o segundo golpe sobre Sodastream este ano, despois de que Scarlett Johansson, embaixadora Ofxam,  foi obrigada a renunciar desde a súa posición con Oxfamal pola sua relación coa empresa sionista. Con toda esta controversia, é seguro que Sodastream vai ter dificultades para atopar persoas ou grupos de boa reputación  para maquillar o seu negocio colonialista nos territorios ocupados.

“Ameaça estratégica”, governo de Israel faz campanha contra movimento de BDS

Fonte: Opera Mundi

Assim que a campanha de boicote, desinvestimento e sanções contra o regime israelense foi lançada, em 2005, Tel Aviv deu início a um programa de contrapropaganda para melhorar sua imagem em meio à comunidade internacional. Nomeada de “Brand Israel”, essa iniciativa se baseia em análises de marketing de que o mundo ocidental compartilha uma visão de Israel como “militarizado e religioso” e procura transformar essa percepção – uma tentativa analisada por muitos e batizada de“pinkwashing”.

Com investimentos anuais milionários do governo de Israel, a campanha envolve de instituições estatais até grupos de lobby ao redor do mundo. De forma orquestrada, essas organizações disseminam ideias e imagens sobre Israel assim como sobre seus principais inimigos em meios de comunicação, redes sociais, eventos, filmes e outras produções artísticas e acadêmicas. Read more

Em meio a negociações de paz, cresce campanha palestina de boicote a Israel

Fonte: Opera Mundi

Autoridades palestinas e israelenses estão mais uma vez envolvidas em uma rodada de negociações a fim de estabelecer um acordo de paz que coloque fim ao conflito político. Denominada de “Iniciativa Kerry”, em referência ao secretário de Estado norte-americano John Kerry, que media o diálogo, essa tentativa de pacto tem atravessado problemas que dificultam um pacto. Entre idas e vindas de negociações de paz falidas e um aumento crescente do ceticismo nessas iniciativas, o movimento de BDS (Boicote, Desinvestimentos e Sanções) contra Israel cresceu na Palestina e mundialmente, conquistando espaço como uma forma de luta não violenta em direção à paz.

“O BDS pede pelo fim da ocupação israelense de territórios palestinos e árabes, ocupados desde 1967, incluindo o desmantelamento de muros e assentamentos; fim do sistema discriminatório de Israel contra seus cidadãos palestinos, o que se enquadra na definição das Nações Unidas de ‘apartheid’; e o direito de retorno de refugiados palestinos a suas terras de origem, um direito reconhecido pela ONU e pela lei internacional”, explica a Opera Mundi um dos fundadores do movimento, Omar Barghouti.

A campanha, lançada em julho de 2005 por mais de 170 organizações da sociedade civil palestina, foi inspirada pela iniciativa vitoriosa de boicote ao regime de apartheid sul-africano e pede boicote, desinvestimento e sanções contra empresas israelenses ligadas a e que lucram com a ocupação dos territórios palestinos. Read more

Pide a Bill Gates que non colabore coa tortura aos palestinos

A asociación pro-presos palestinos, Addamer e o Comité Palestino de BDS, solicitan apoios na súa campaña para lograr que Bill Gates retire os seus investimentos en laempresa de seguridade G4S.

A Fundación Bill e Melinda Gates posúen accións desta empresa por valor de 174 millóns de dólares. G4S está comerciando co estado sionista, instalando e desenvolvendo servizos de seguridade aos cárceres israelís, que violan a Convención de Xenebra ao transferir detennidos ao territorio ocupante.

Entre os detidos palestinos se ecuentran centos de nenos menores de catorce anos, que son en moitas ocasións torturados e obrigados a asinar confesións nun idioma (hebreo), que non coñecen.
Baixo a lei militar israelí, os palestinos poden ser interrogados durante 90 días e o acceso a un avogado pódeselles negar durante os primeiros 60 días. Desde 1967, 73 palestinos morreron durante os interrogatorios israelís, o último foi Arafat Jaradat, torturado até a morte durante un interrogatorio supervisado por G4S en febreiro de 2013.

Podedes unirvos á solicitude na páxina de Addameer.

Anonymous informa de acción contra Israel

Anonymous España ven de anunciar un boicot cibernético contra Israel debido aos abusos dos dereitos humanos por parte do estado sionista.

 

Carta aberta ao soldado X

Yusef Abu Aker Shawamreh

Carta aberta ao soldado X do 77 corpo de batallón blindado que asasinou a un mozo chamado Yusef Abu Aker Shawamreh o mércores pasado

Por Amira Hass para Haretz

Cando o pasado venres pola noite estabas na cea familiar, dixécheslles que fuches ti e gañaches a aprobación do teu pai e a túa nai?. Ou che prendiches ao teu arroz e comiches o teu bistec en silencio?. Preguntáronche os teus comandantes como a bala mortal que disparaches deu directa e precisamente na cadeira de Yusef?. Estabas a apuntar ás pernas e fallaches?. Apuntabas ao aire e erraches?. Chegaron á conclusión os teus comandantes de que necesitas un curso de actualización no campo de tiro?. Read more

Israel perde oito mil millóns de dólares e os partidos árabes únense ao boicot

Fonte: www.middleeastmonitor.com

Moustapha Barghouti falando con Jhon Kerry

Mustafa Barghouti , secretario xeral do movemento Iniciativa Nacional Palestina , estimou que Israel incorreu en perdas de ao redor de oito mil millóns de dólares debido á campaña de boicot contra os asentamentos ilegais , o que equivale ao 20 por cento do seu PIB.

En canto aos últimos esforzos palestinos para continuar coa expansión do boicot , Barghouti revelou que se chegou a un acordo con 13 partidos árabes democráticos para formar comités de boicot no mundo árabe . Read more