‘Terrorismo patrocinado pelo Estado’: Israel fecha 8 meios de comunicação palestinos

As forças israelenses realizaram violentos ataques de madrugada em oito meios de comunicação palestinos na quarta-feira, fechando-os logo em seguida. As invasões foram realizadas por soldados israelenses e oficiais de segurança em 18 de outubro en várias partes da Cisjordânia. Os locais foram fechados por ordem militar direta e equipamentos confiscados. As agências afetadas incluem Ramsat, Trans Media, Pal Media, Al-Aqsa e Al-Quds.

Além disso, Amer al-Ja’bari, diretor da Trans Media, e seu irmão Ibrahim, foram sequestrados. Soldados também seqüestraram 18 palestinos de suas casas em toda a Cisjordânia. Muitos moradores locais lançaram pedras contra os soldados invasores, que responderam com munições, balas de aço revestidas de borracha e bombas de gás, causando vários feridos.

Resultado de imagen de palestina

Partido do Povo Palestino (PPP) emitiu uma declaração que denuncia fortemente as invasões militares israelenses a meios de comunicação palestinos acusados de praticar “terrorismo patrocinado pelo Estado”.

Em sua declaração, o PPP disse que as ações eram apenas outra série de escaladas israelenses e parte de um esforço contínuo em silenciar a mídia na Palestina ocupada.

“O que está acontecendo é criminoso — as violações israelenses e a opressão militar são realizadas com o único propósito de tentar enterrar a verdade e esconder os crimes em curso. Este é o terrorismo patrocinado pelo Estado e uma violação direta do Direito Internacional, incluindo a liberdade de imprensa”, afirmou o PPP.

O PPP também elogiou jornalistas e meios de comunicação operando na Palestina ocupada, enfrentando “agressões e violações escaladas em Israel”, mas ainda “determinados a expor a natureza criminosa da ocupação”.

Conspiração do Silêncio

Por sua parte, as forças israelenses justificaram a ação com base em que as agências operavam “sem licença”, prestaram serviços a “elementos terroristas” e “se envolviam em incitamento”. As agências permanecerão fechadas por um período mínimo de seis meses.

Seja qual for a verdade sobre o assunto, os esforços do governo israelense para restringir o trabalho dos jornalistas, tanto no país quanto nos territórios que ele ocupa, estão bem documentados. Mais recentemente, Tel Aviv anunciou em agosto que proibiria as operações da Al Jazeera em Israel, encerraria seus escritórios e revogaria as credenciais de imprensa de seus jornalistas árabes e ingleses que operavam no país, justificando que a rede estava “incitando” a violência.

Em setembro de 2016, o Facebook bloqueou as contas de pelo menos sete editores de dois meios de comunicação palestinos a pedido do governo de Netanyahu, menos de um mês depois de assinar um acordo com as autoridades israelenses no combate à “incitação” nas mídias sociais. Segundo o ministro da Justiça israelense, Ayelet Shaked, oFacebook concedeu 95% dos pedidos que enviou à empresa para remoção de conteúdo. Também houve numerosos casos de agências de notícias palestinas que receberam proibições do Facebook sem explicação, incluindo a Gaza 24.

Human Rights Watch

​Em abril, a HRW emitiu um relatório de 47 páginas alegando que o governo de Israel bloqueou o acesso da Faixa de Gaza aos trabalhadores de direitos humanos para evitar a documentação de abusos.

A organização diz que tais restrições dificultam o exame preliminar em curso do Tribunal Penal Internacional sobre a situação existente e impedem que os investigadores avaliem se as autoridades nacionais realizam verdadeiramente investigações credíveis sobre abusos e julgamento dos delinquentes adequadamente.

Em fevereiro, Tel Aviv se recusou a emitir vistos para a equipe da Human Rights Watch (HRW), uma das ONG de direitos humanos mais famosas do mundo, acusando o grupo de ter uma “agenda extrema, hostil e anti-israelense”. Embora a decisão tenha sido considerada “ameaçadora” pela HRW, a capacidade da organização de investigar os abusos dos direitos humanos na Cisjordânia foi fortemente reduzida desde 2010, com Israel recusando o acesso dos funcionários da ONG à área sem acompanhamento militar e bloqueando o acesso a determinadas seções de forma definitiva.

Orixinal: Sputnik

Fonte: EsCULcA.gal

Quizáis che interese...