Archive for Artigos

Viaxei a Palestina-Israel e descubrín que o “conflito palestino-israelí” non existe

Fonte: Huffington Post- Por Ferrari Sheppard 

Ferrari Separd, autor do artigo

A mente ten un xeito de facer que as experiencias traumáticas lle parezan soños lonxanos a quen sobrevive a elas. A medida que vai pasando, canto máis traumática fose a experiencia máis rapidamente irrompen os paramédicos da nosa mente para disfrazar as feridas, reanimar e estabilizar á vítima, que es ti.
Dende que voltei de Palestina hai 36 horas, teño sentimentos encontrados entre a indiferenza e a minimización do que alá atopei. O meu subconsciente decidiu que os horrores que presenciei na “Terra Santa” non eran nada importante, o que inclúe un muro de cemento de 8 metros de altura que encerra aos habitantes palestinos de Cisxordania e as torres de francotiradores que aparentemente hai en todos os recunchos desta prisón ao aire libre.
Era a primeira vez que viaxaba a Palestina (a maioría dos occidentais chámanlle Israel, pero tratarei este tema un pouco máis adiante). Nunca estivera no país, pero lera dabondo para saber o máis básico: palestinos e israelís loitaban pola terra Read more

Crítica ao livro “A Invenção da Terra de Israel”, de Shlomo Sand.

Fonte: www.sionismo.net

Autor:  Donald Sassoon, professor de História Comparada da Europa na Faculdade Queen Mary da Universidade de Londres.

Neste segundo volume da sua trilogia sobre estudos judaicos, Shlomo Sand explora como a “Terra de Israel” foi inventada e desmascara a mitologia nacionalista-sionista popular.

(Encontro com Sholmo Sand).

Em 2009, Shlomo Sand publicou “A Invenção do Povo Judeu“, no qual afirmou que os judeus têm pouco em comum uns com os outros. Não existe uma linhagem ética comum em virtude do elevado índice de conversão na antiguidade. Também não têm uma linguagem comum, pois o hebraico era unicamente utilizado para efeitos litúrgicos e não era nem falado no tempo de Jesus. O ídiche era somente utilizado pelos judeus asquenazes. O que resta para os unir? Religião? Mas religião não cria um povo – vejamos o caso dos muçulmanos e dos católicos. Além de que muitos dos judeus não são religiosos. Sionismo? Não passa de uma opção política: alguém pode ser escocês e não ser partidário do nacionalismo escocês. Além de que muitos judeus, incluindo sionistas, não têm a mínima intenção de “retornar” à Terra Santa preferindo permanecer em Londres, Brooklyn ou onde seja. Por outras palavras, a designação de “Povo Judeu” é uma construção política, uma invenção. Agora, Sand diz-nos neste segundo volume, daquilo que será uma trilogia, que mesmo a ideia de “Terra de Israel” foi inventada. O terceiro volume da trilogia será “A Invenção dos Judeus Seculares”. Read more

Um Oriente Médio utópico: escritores israelenses e palestinos imaginam retorno de refugiados

Fonte: www.operamundi.com.br  Guila Flint*

O livro Awda (“retorno”, em árabe), lançado em Israel, traz 12 contos escritos por seis autores israelenses e seis palestinos, que desenham, em detalhes, uma realidade imaginária de como seria o país após o retorno dos refugiados palestinos.

O subtítulo da obra, “Testemunhos imaginários de futuros possíveis”, evidencia o exercício feito pelos autores, de imaginar levando em conta a realidade atual e o cenário geográfico e cultural da região.

Em um dos contos, o escritor israelense Tomer Gardi, que mora em Tel Aviv, descreve a cidade após o retorno dos refugiados. Na história, muitos dos que retornam resolvem ir para Yafo, hoje um bairro no sul de Tel Aviv e que, até a fundação de Israel, em 1948, era uma das cidades palestinas mais importantes – chamada Yafa (com ‘a’). Read more

Está a chegar a campaña de BDS contra Israel a un momento decisivo?

Artigo de Omar Barghouti pra Aljazeera. Fonte: Rebelión

Omar Barghouti

Na cima do seu poderío económico e militar (particularmente nuclear), Israel séntese inusitadamente vulnerable pero, ironicamente, neste caso a ameaza procede dun movemento non violento ancorado no dereito internacional e na Declaración Universal de Dereitos Humanos. O pasado mes de xuño o primeiro ministro israelí Benjamin Netanyahu clasificou ao movemento global dirixido por palestinos de boicot, desinversión e sancións a Israel (BDS) de “ameaza estratéxica” para o réxime de ocupación, colonización e apartheid de Israel ao decidir asignar ao ministro de Asuntos Estratéxicos toda a responsabilidade da loita contra este movemento. Este cambio espectacular é un reflexo do fracaso da ben engrasada campaña israelí “Marca Israel” dirixida polo ministerio de Exteriores desde que en 2005 lanzouse a campaña de BDS e que considera que a cultura é unha ferramenta de propaganda e cuxa lóxica é utilizar aos artistas e escritores israelís para mostrar ao mundo “a cara máis fermosa de Israel”. Read more

O deserto da democracia de Israel- Max Blumenthal

Fonte: Redecastorphoto.blogspot.com.es

Da tribuna da Assembleia Geral da ONU, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu dedicou-se a aproximar e confundir os mais assustadores detalhes de males feitos e a serem cometidos pelo Irã e imagens de judeus “aterrorizados” e “deixados à morte” por antissemitas na Europa do século 19. Dirigidas contra o movimento de aproximação entre EUA e Irã e pela via diplomática, e falando a um público de norte-americanos já fartos de guerras, as frases desatinadas de Netanyahu ameaçam fazer dele figura ainda mais diminuída, sem argumentos, desesperado.

Embora o discurso tenha repercutido muito mal nos EUA, afastando até alguns dos mais empenhados propagandistas e defensores de Israel, aquela jeremiada serviu a um objetivo maior: desviar a atenção mundial das políticas de Israel contra um grupo que Netanyahu excluiu (também) do discurso na ONU: os palestinos. Read more

O último refuxio do patriota israelí: o boicot (Gideon Levy)

Fonte: Rebelión.org

Gideon Levy
Haaretz

Calquera que tema realmente polo futuro do país ten que estar a favor de boicotealo economicamente.

Unha contradictio in terminis?. Consideramos as alternativas. Un boicot é o menor de todos os males e podería producir beneficios históricos. É a opción menos violenta e a que ten menos probabilidades de acabar nun derramamiento de sangue. Sería dolorosa como as outras, pero as outras serían peores.

Sobre a base da suposición de que o actual statu quo non pode continuar eternamente, é a opción máis razoable para convencer a Israel de que cambie. A súa efectividade xa se probou. Máis e máis israelís preocupáronse recentemente pola ameaza do boicot. Cando a ministra de xustiza Tzipi Livni sinala a súa expansión e en consecuencia chama a romper o impasse diplomático, fornece unha proba da necesidade dun boicot. Por iso ela, e outros, súmanse ao movemento polo boicot, a desinversión e as sancións. Benvidos ao club. Read more

Gush Shalom insta a cantora Noa a suspender actuación en Xerusalén

A cantora “pacifista” Noa

Gush Shalom solicita a cantora Achinoam Nini (coñecida como Noa) que cancele a actuación prevista durante os actos do que Israel chama o “día de Xerusalén”.

A organización pacifista lembra que a cámara municipal de Xerusalén anuncia o evento como unha celebración do 46 aniversario da “liberación e unificación” da cidade e que este organismo actúa como o maior aparato de presión contra as persoas palestinas que ainda residen na cidade, prestándolles como únicos servizos municipais a acción dos bulldozers que arrasan as súas vivendas. Read more